sexta-feira, fevereiro 06, 2009

O DIREITO À DIGNIDADE

Decorrem horas decisivas para o futuro de Eluana Englaro, a italiana de 38 anos que se encontra em estado vegetativo desde 1992. Após uma luta de vários anos que parecia condenada ao fracasso, a família de Eluana viu recentemente ser autorizada uma sentença judicial que autoriza a suspensão dos suportes de vida artíficial.



Parecia que o sofrimento desta família iria enfim terminar, sendo dada a Eluana a dignidade e a misericórdia que lhe permitiriam acabar com esta não-vida e com o padecimento causado durante estes anos todos àqueles que sempre estiveram mais próximos. Eis senão, que o todo poderoso primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi anunciou a sua intenção de levar a Conselho de Ministros uma proposta para impedir o cumprimento da decisão judicial, em prol dos valores da igreja católica, que sempre viu com maus olhos a prática da eutanásia. Custou-me a acreditar que não seria ainda agora que Eluana iria ser, não direi morta, mas livre de um corpo que há muito se viu despojado de vida.



Só que entretanto, o governo italiano parece pairar numa indecisão face à diversidade de opiniões entre a opinião pública italiana e internacional, como a uma eventual divisão oriunda do próprio partido. E é neste clima de autêntico suspense que hoje, na Clínica Quiete, em Udine, os médicos deverão começar a reduzir os alimentos a Eluana, num processo longe de ser considerado definitivo.


1 comentário:

Elsa Santos disse...

Parece que já deixam que a Eluana finalmente tenha a paz que merece... Felizmente existem pessoas com consciência... Abençoados sejam aqueles que autorizaram o fim do sofrimento...