quarta-feira, maio 30, 2007

LIBERDADE?!

Recentemente, voltaram a estar na moda palavras como Democracia, Liberdades e Direitos, além de terem ocorrido manifestações anti-fascistas. Eu tenho a ideia, de que, num Estado democrático e livre as pessoas tenham a liberdade de tomar as suas próprias opções, desde que não interfiram com os direitos das outras pessoas. Assim, julgo eu, que tenho liberdade para tomar as minhas próprias opções, sejam de carácter profissional, sexual, político, etc etc etc, sem que corra o risco de ser discriminado ou até violentado nos meus próprios direitos. Mas tal como eu referi no início, tudo isso são palavras e a liberdade não passa de demagogia barata para justificar a queda do Antigo Regime. Hoje há greve geral, as televisões inundam-nos com imagens de um triunfo avassalador por parte de um povo que se insurge contra a actual situação do país. As rádios falam de uma adesão a rondar os 100% entre as várias empresas e estabelecimentos de ensino e não só. Afinal, o povo está mesmo unido. Só que, em várias empresas, como a minha, onde a greve prejudica o dia a dia normal de milhares de pessoas, impedindo-as de ir trabalhar - e não só -, obrigando-as a perderem o salário de um dia (porque ao contrário de outros países, em Portugal os síndicatos não nos compensam por aquilo que perdemos por aderirmos à greve), os piquetes de greve marcaram presença ainda antes das zero horas de hoje, e pela manhã registaram-se já desacatos e agressões verbais e físicas contra quem pretendia usufruir do seu direito a ir trabalhar, em atitudes que me fazem pensar nos piores exemplos do Estado Novo e do fascismo que tanto se critica e se diz abolido desde Abril de 1974. Como não haver adesões de 100% se as pessoas que querem trabalhar são proíbidas de o fazer pelos próprios colegas? Onde está o direito a fazer ou não fazer greve? Onde está o respeito ao próximo porque tantos lutaram? Onde está o cívismo de pessoas que se dizem civilizadas e que à miníma manifestação daqueles que pensam de forma diferente actuam tal e qual como na pré-história, à força da violência? São essas mesmas pessoas que ontem e amanhã passam por nós, nos dão uma palmada cordial nas costas e discutem connosco os resultados do Benfica e do Sporting, como se Hoje não passasse já de uma vaga lembrança. No exacto momento em que escrevo isto, não sei ainda como vai ser o meu dia. Sei apenas que sem estar de acordo ou em desacordo com quem quer que seja, não ando a reboque daqueles que querem pensar por mim e impor-me as suas ideias.

1 comentário:

quero dizer disse...

Tudo neste pais está errado.
Como podemos ter uma classe politica capaz, quando o povo que os elege é tão mau ou pior que eles?
A liberdade é um bem que se pode tornar num mal, quando mal usada.
Liberdade em excesso é prejudicial.
As pessoas falam mal do tempo do Salazarismo, mas nesses tempo havia respeito pela autoridade, pela policia, pelas forças armadas.Hoje isso já não se passa, é uma vergonha.
Pergunto, qual o professor(a) de quem guardamos as melhores lembranças e com quem aprendemos mais?? Com aquele que nos acompanhou da 1ª à 4ª classe, aquele que nos dava reguadas, aquele que nos punha de castigo, mas que tinhamos respeito e hoje lembramos com carinho e saudade.
Hoje os filhos respondem aos pais, batem nos professores. Alguma vez respondemos aos nossos pais?? e admiramos os nossos pais como a mais ninguém. porque umas palmadas nunca fizeram mal a ninguém.
Tudo isto para dizer que a liberdade e como tudo na vida, vai e volta. Daqui a uns anos irá acabar novamente e vamos reparar que não a soubemos usar!
Portugal não é, nem nunca será um exemplo para nenhum país!