domingo, novembro 29, 2009

PORQUE HOJE É DOMINGO!...


Há dias em que as palavras ganham um sentido especial, aniversários, Natal, aqueles dias que nos trazem uma memória boa e às vezes uma lágrima nostálgica ao canto do olho. Dias em que as letras se vestem de cores e sentidos para moldar sentimentos. Algumas pessoas procuram usá-las de outros tons, mais ricas, mais complicadas,na busca de sons e formas originais; outros - mais ocupados, mais práticos - recorrem de fórmulas antigas mas cuja receita resulta sempre. A estes respondo à letra, num prático e sintético "obrigado". Aos outros, ornamentados entre o humor mordaz e o elogio da praxe agradeço as palavras e refuto alguns dos "acessórios". Sem falsas modéstias, não entro na euforia gratuita dos elogios. Não sou uma pessoa especial.Todos temos os nossos momentos, bons e maus, de anjo e de diabo, uns mais que outros, mas todos humanos. Assim sou eu - do grupo dos "outros" e cheio de defeitos e pecados que mil avé marias já não conseguem absolver. Resta-me o orgulho - esse devaneio - de tudo ou quase tudo o que fiz e faço obedecer a boas intenções (dessas que enchem o Inferno) e regras, como sempre essa mania de tentar ser certinho e estar sempre a descarrilar. Claro que agradeço sempre cada palavra, cada frase elogiosa. São fáceis de dizer, significam aquilo que quisermos, fazem-nos chorar e rir, inchar o ego como um balão, atiram-nos ao chão mais depressa que uma pedra ou um murro no estômago. Mas todas as guerras fossem de palavras, faladas ou escritas. Até o amor se vale de palavras, bonitas, sensíveis, daquelas que conquistam, daquelas que exageram e que mesmo assim pecam por defeito, porque não foram ainda inventadas palavras que chegassem para definir certos sentimentos. Recorro-me então em última instância do pouco original mas sincero "Obrigado". Obrigado a todos pelas palavras, pelas mensagens, aos meus amigos - aos que conheço daqui e daí. Este espaço fez quatro anos há pouco tempo e a cada dia que passo apercebo-me sempre um pouco mais do poder que a internet em geral e a blogosfera em particular têm. Hoje, as palavras já me chegaram de amigos, da família e de pessoas que não conheço mas que não deixo de estimar e a quem já me liga uma, mesmo que distante, cumplicidade. A distância é hoje mais curta e as diferenças (de sexo, de raça, de ideias, etc etc) uma razão para nos aproximar-mos e conhecermo-nos melhor. Em 2009, quase 2010, já não se justifica que os conflitos se façam através de armas, de derramamento de sangue à falta de melhores argumentos, de palavras. Não foi a roda que fez evoluir o Mundo, que nos fez modernos e racionais, mas a Palavra. Porque será que mesmo assim tanta gente insiste em atitudes selvagens, irracionais e grunhidos incompreensíveis?

3 comentários:

Bianca disse...

"Não há nada que esteja menos sob o nosso domínio que o coração, e, longe de podermos comandá-lo, somos forçados a obedecer-lhe"
Jean Jacques Rousseau
Escreves de uma forma tão "funda" que mete medo e aperta o coração.
Beijo

DJ RICK disse...

PARABÉNS, MIGUELÃO!! ÉS O MAIOR!!
GRANDE ABRAÇO

Sam Seaborn disse...

Vão existir sempre barreiras por derrubar, as barreiras culturais e sociais ou de simples maturidade, ou falta dela, têm o seu “tempo de duração” e eu gosto de acreditar que se vai tirando uma pedra de cada vez até não restar mais nada… a seguir? Próxima barreira…