domingo, janeiro 27, 2008

SAÚDE DEBILITADA


Na madrugada de sexta-feira, Manuel Pinto, de 79 anos foi assistido no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, tendo alta às 9h00. Não lhe tendo sido diagnosticado nada de preocupante, Manuel Pinto saiu do Hospital para apanhar um táxi de volta para casa, praticamente nu. Pelas 14h00, o seu estado piorou, regressando então ao Hospital, falecendo duas horas mais tarde. Poucos dias atrás assisti na televisão a um diálogo quase surreal entre uma operadora da INEM e alguém dos Bombeiros. Depois da rábula do encerramento das maternidades e de vários serviços de urgência, que poderiam ter salvo a vida a alguns casos trágicos que ocorreram recentemente, confesso que procuro alhear-me um pouco de toda esta situação, a que assisto com incrédula preocupação. Tardam a apurar-se responsabilidades, o Ministro, como todos os ministros lançam as culpas já tão gastas, para os suspeitos do costume: os Governos anteriores. Para um leigo como eu, salta à vista uma grosseira incompetência, daqueles que têm de tomar decisões céleres e vitais e daqueles que são responsáveis pelos destinos da Saúde, a exemplo da Educação, dos Transportes, da Justiça e tanto mais. Para aqueles que estão diáriamente no terreno e sobre quem recaem sempre as queixas imediatas, apenas um pensamento. Um País que se quer moderno não pode continuar a brincar com as pessoas, confiando coisas tão importantes como a saúde nas mãos de amadores e voluntários. Esse tempo já acabou! Quem tem de tomar decisões tem de saber o que fazer, com objectividade e sem perdas de tempo tão vitais em tantos casos. Todavia, ajudava muito, que houvesse da parte de quem manda, de quem pode, mobilização de meios (viaturas, contingente humano, cursos, etc etc etc), para que se cheguem aos fins desejados.

1 comentário:

O homem do apito disse...

O tipo da foto tem ar de doente...
Talvez fosse melhor chamar o Inem...