quinta-feira, dezembro 22, 2005

ESTOU DE RASTOS

Até poucas horas atrás pensei chegar a casa e escrever que faltavam quatro dias para o Natal e juntar uma imagem alusiva a acompanhar. Poucas horas atrás, porém, uma morte veio afectar radicalmente o meu âmbiente de trabalho e o meu modo de encarar hoje a data que se aproxima. Uma mulher que muito provávelmente apenas conhecia de vista caiu ao mar e todas as diligências que imediatamente se fizeram no sentido de a resgatar com vida foram infrutíferas. Neste momento, não interessa o seu nome, sexo ou idade, profissão ou estatuto social. Numa época em que já se fazem inúmeros votos de boas festas e um ano vindouro mais próspero, há que lembrar que o reverso da medalha também existe para incontáveis famílias para as quais este ou outros natais ficaram marcados pela tragédia de um familiar ou amigo, por despedimentos, pela falta de comida e de dinheiro, quando outros se banqueteiam. Amanhã talvez não me lembre mais deles, mas hoje, vai para eles o meu sentimento profundo de respeito. Uma palavra ainda de conforto e amizade para um colega que, por estar directamente envolvido no drama das últimas horas, estará certamente a passar um mau bocado. Que o ano novo lhes traga a eles e a todos nós não apenas prosperidade mas serenidade para enfrentar os maus momentos e paz, muita paz.

1 comentário:

Paulo Tadeu disse...

Viva, cheguei agora depois de mais um dia de trabalho, fiquei triste com a notícia. Verdade tudo aquilo que dizes, não podemos prever o que vai acontecer amanhã, nem daqui a 5 minutos. Para a família da Srª fica também o meu sentimento profundo de respeito. Para o teu colega, votos de um Feliz Natal dentro do possível. Já se sabe que fica marcado por este acontecimento trágico.