domingo, outubro 03, 2010

PORQUE HOJE É DOMINGO!... (e ontem foi 2 de Outubro)

... e na ressaca de um dia perfeito acordariam invulgarmente tarde, talvez por ser a primeira noite juntos. A primeira coisa que ela veria seriam os seus olhos, porque o amor ainda tem dessas coisas, detalhes, laivos de romantismo que fazem com que a vida por vezes pareça valer a pena. E a seguir aos olhos - ela sabia-o, adivinhava-o -o toque das mãos no cabelo solto, numa carícia mais prolongada. A chuva caía, inesperada embora sem ser indesejada, apesar da praia ali tão perto, para lá da penumbra acolhedora daquele pequeno quarto, improvisado ninho de um amor nem sempre esclarecido todavia intenso. Não importava, tão pouca era a pressa de sair daquele abrigo quente e seguro que eram os braços um do outro, da urgência serena da pele, dos beijos, olhares e palavras, da ternura muito mais que física. Lá fora, pouco mais que o silêncio. Lamentos de turistas nas esplanadas cobertas dos cafés, a quem a borrasca apanhara de surpresa, obrigando a outras opções. Amar, sonhar, partilhar emoções, elos, família, viver. Tanto por fazer, tanto por descobrir, tantas sementes a cultivar. Mas sem pressa, sem queimar etapas, porque como em tudo na vida, uns bons preliminares são fundamentais, fazem a diferença entre o sucesso e o fracasso, o sábio degustar de cada momento, o desfrutar ao máximo dos pormenores, o ser honesto, sincero e apaixonado, completo em cada entrega. Não sabiam que horas eram. Pelo menos por um dia negar-se-iam a ser reféns do tempo. Mais tarde, só então,  abririam uma excepção para as pessoas, para o Sol ou para a chuva, para os outros. Até lá bastava-lhe estender o sonho, enganar o sono de uma noite mal dormida pelo trabalho e mesmo assim ter medo de acordar, longe das extensas dunas de areia branca e dos turistas desprevenidos, da água de encontro à janela e da chuva transformada em lágrimas, encharcando a ausência dos braços e do resto, fíapos de vida fingida, versos tristes de um amargo e desconfortante amanhecer.

Pensei um dia que poderia transformar uma data triste com um evento feliz, sem ter de rasgar folhas ao calendário, moldar os dias a meu belo prazer com a fina arte de um moleiro. Pensei fazer de uma recordação triste o dia mais feliz da minha vida. Não consegui. Faltou-me o engenho, faltou-me um motivo, alguém que me livrasse de vez deste medo de acordar.

6 comentários:

pinguim disse...

Acordar a meio de um sonho pode ser bom ou mau, conforme o sonho; se o sonho for a realidade, então continua a ouvir a chuva a bater na janela e aninha-te bem...

Fatinha disse...

Este post fez-me sonhar. Não sei qual o sentimento que te desperta, mas é sem dúvida mto intenso e sentido...gostei.

Sonhadora disse...

Meu querido
estou de volta, sepois de uma pausa e estou a por as visitas em dia.
Hoje apenas deixo um beijinho.

Sonhadora

Isa GT disse...

"Transformar uma data triste com um evento feliz" é obra demais para uma só pessoa...

Bjos

Fê-blue bird disse...

Amigo Miguel:
Um sonho quase perfeito num comovente texto.
Há ternura e saudade em cada palavra.
Não é falta de engenho sonhar assim.
Boa semana.

Beijinhos

Há.dias.assim disse...

Em mim despertou saudade de tempos assim.
Outros tempos...