domingo, setembro 19, 2010

PORQUE HOJE É DOMINGO!...

O Parque Júlio José Ferraz é, indubitavelmente um dos locais mais bonitos e aprazíveis de Almada, pelos amplos espaços verdes, que levam a que, especialmente ao fim de semana mas não só, se juntem ali bastantes crianças acompanhadas pelos pais, como ainda jovens e idosos que ali se deslocam e permanecem durante bastante tempo para namorar, descansar ou revigorar a vista com a bela paisagem do local. Confesso que este parque faz também parte do meu álbum das melhores memórias e é, ainda hoje, parte integrante do meu ritual diário. Hoje, um dia depois de uma noite de bastante movimento, devido a um espectáculo integrado na semana europeia da mobilidade, o aspecto deste espaço era o que as fotografias documentam, com muito lixo espalhado por todo o lado - havendo vários caixotes no local -, muitas garrafas de cerveja, algumas partidas outras não, com crianças brincando lado a lado com a porcaria e bocados de vidro disfarçados pela relva, perante a passividade dos pais. Como se não bastasse, até a tabuleta com o nome do Parque foi arrancada dos seus alicerces, sabe-se lá até quando. Para uma cidade que, segundo as palavras da Presidente da Câmara, dois dias antes no Almada Fashion, sabe receber as suas visitas, é triste, lamentável até que entre os seus residentes haja energúmenos deste jaez, incapazes de beberem sem perder a noção do civismo, incapazes de se comportarem em sociedade. A rebeldia, a efemeridade da juventude ou a desculpa fácil da inconsciência provocada pelo álcool não lhes dá o direito ao vandalismo, não atenua nem branqueia a maldade pura destes e outros actos semelhantes. Todos os fins de semana, não muito longe daqui, na chamada parte velha da cidade, ponto de encontro de grandes aglomerados de jovens pelo grande número de pubs e bares, é difícil adormecer antes das três, com gritos e buzinadelas de quem se mostra indiferente ao descanso dos outros e de manhã, são sempre evidentes os efeitos da sua passagem, com garrafas e restos de garrafas amontoando-se junto às portas das casas, com restos de comida de quem se arma em herói e depois não sabe aguentar a bebida. Não é esta a liberdade pela qual tanto se orgulham, não foi pelas noitadas sem freio e pelo sexo sem nexo e irresponsável que essa mesma liberdade foi tão arduamente conquistada. E chamam-lhes... a esses animais irracionais, futuro?! Que futuro, quando o presente é por eles tão maltratado?


3 comentários:

Fê-blue bird disse...

Miguel:
Estou plenamente de acordo consigo, também conheço o parque e lamento que os Almadenses, particularmente os jovens, desprezem assim tanto a sua cidade e o ambiente.
Esta geração preocupa-me, porque despreza a sua saúde, as regras, as pessoas e as coisas, talvez porque tudo para eles é descartável e fácil ou talvez porque houve falhas na geração anterior?

Beijinhos

Jussara Christina disse...

Não conheço, mas com certeza fico decepcionada com o desprezo e falta de cuidados que as pessoas dispensama aos seus lugares belos.
A vida devia ser construção!
E não isso que vemos em todos os lugares do planete: destruição.
Uma linda semana pra vc!
Bjs doces.

Carmo disse...

Tb conheço Almada é uma cidade aberta e com muita luz. No entanto gostaria de dizer que se os jovens actuam dessa forma repetidamente, acho que a autoridade deveria intervir, assim como a Camara. É que este tipo de situações não se deveria sustentar. Parece que hoje em dia tudo é permitido :|

bj
mmoura